polacodabarreirinha

Poesia, música, gracinhas e traquinagens

sexta-feira, outubro 10, 2008





eu

que que eu fiz da minha vida, meu deus do céu?
não sendo em verso, esse universo não é meu
o que que eu faço do meu corpo de Thadeu?
não seria meu, Poesia, se não fosse só teu

o que já foi meu, Musa, minhas pernas, braços,
bigode, nariz, olhos, nem de perto lembra
aquele que viveu no silêncio de espaços...
flores de um velho outubro que ainda setembra?

eu lembro vagamente. era poeta dos bons,
fazia versos cagando e andando de lá
pra cá, de cá pra lá da vila dos merdões.

fumava como um sapo índio até estourar,
bebia muitas, dormia em pé e, quando ria,
ele escrevia-se todo e, por querer, morria?


Antonio Thadeu Wojciechowski


4 Comentários:

Às 10 outubro, 2008 , Anonymous Anônimo disse...

receita do dia: pegue palavras, perverta a sintaxe, subjugue a rima e vc terá um poema do Thadeu! beijos

 
Às 11 outubro, 2008 , Blogger Cláudio Bettega disse...

faça melhor, anônimo.

 
Às 12 outubro, 2008 , Blogger Ivan disse...

Cláudio: acho que a intenção do "anônimo" (deve ser uma anônima: mandou beijos...) não foi de criticar, mas sim expressar admiração pela "perversão da sintaxe" e domínio das rimas...

 
Às 13 outubro, 2008 , Blogger Cláudio Bettega disse...

opa. então eu que perverti a semântica na minha cabeça. desculpa a todos.

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial