polacodabarreirinha

Poesia, música, gracinhas e traquinagens

quarta-feira, novembro 12, 2008

Renato, mandando ver no blog diedrich e os marlenes.
Eu confiro todo dia.

2 Comentários:

Às 12 novembro, 2008 , Blogger Renato Quege disse...

Tô de olho no senhor.
Abraços!!

 
Às 12 novembro, 2008 , Anonymous Anônimo disse...

O Poeta do Sumô

Há alguns dias atrás em uma conversa com o poeta curitibano Thadeu Wojciechowski, surgiu o nome do poeta japonês Nabuto Almada, morto em 2007 e que era, segundo o tradutor e poeta, um aficionado do Sumô.
Nabuto Almada em sua curta obra escreveu sobre a milenar luta de competição japonesa, e durante a infância e juventude assistia fascinado aos embates no Ginásio Nacional de Sumo, na cidade de Ryogoku. Minha curiosidade me levou direto ao mundo do sumô.
O esporte tem regras simples. Dois atletas competem num ringue circular de chão de barro e palha de arroz, o dohyō, e o primeiro a tocar o chão com qualquer parte do corpo exceto os pés ou pisar fora do ringue perde a luta. Perde também a luta o lutador que aplicar algum golpe baixo ou proibido. As lutas são muito rápidas e emocionantes, algumas decididas no primeiro golpe. As mais demoradas dificilmente chegam a 15 segundos, embora ajam relatos de lutas com duração de quase 1 minuto, e que levam à torcida a loucura.
Para demonstrar que a luta é feita de "mãos limpas", o lutador de Sumô usa apenas na luta uma faixa de tecido grosso que é enrolado em volta da cintura do lutador e serve tanto para proteger as partes intimas quanto para ser agarrada para efetuar golpes, o mawashi, a tal tanga.
No sumo não existem categorias, havendo somente restrição de altura. Contam que um famoso lutador só conseguiu ingressar no sumô porque na época em que lhe foi medida a altura, usava um enorme topete que foi o suficiente para dar-lhe os centímetros que faltavam.
Mais que uma luta de gordões japoneses de tanga, o sumô é um esporte profissional que envolve muita grana e seus lutadores são verdadeiros ídolos para os japoneses. Alguns continuam fazendo sucesso mesmo depois de se aposentarem. Um exemplo disso é o do Lutador Konishiki, um havaiano carismático, que após se afastar do Sumô acabou virando apresentador de um programa infantil e garoto-propaganda de comerciais de TV.
Nabuto sempre muito magro e franzino queria ser lutador de Sumô, mas foi mesmo o poeta do esporte.



hehehe


rodrigo

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial