polacodabarreirinha

Poesia, música, gracinhas e traquinagens

domingo, janeiro 04, 2009



OUTONO DO POETA
a
a
Tudo que de sagrado tenho e guardo
no fundo do baú é inventado.
São sonhos de palavras, inventário,
um resumo da ópera, meu fardo.

E todos esses versos que ainda aguardo,
a cada dia, como um pobre coitado
aguarda uma esmola, envergonhado,
são para mim, mendigo, um fado árduo.

Guardá-los, protegê-los do calor
das batalhas do coração, do frio
da indiferença azeda e sem valor,

é meu trabalho. Meu cofre vazio
é meu rico salário e meu tesouro
é esse outono folheado a ouro!

Antonio Thadeu Wojciechowski

1 Comentários:

Às 04 janeiro, 2009 , Anonymous flávio scoretto disse...

É de cair o queixo, Polaco.

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial