polacodabarreirinha

Poesia, música, gracinhas e traquinagens

quarta-feira, abril 08, 2009

.
Cotas de Dano

Sei que não sou flor que se cheire, há muito tempo.
Minhas capitanias não são hereditárias
E nem é meu o sonho céu das araucárias.
O desejo passou, caiu no esquecimento.

Ficou o gosto amargo, o desapontamento.
De nada adianta buscar a causa, são várias.
Mas não vou te escrever notas catilinárias
ou o inventário do mútuo padecimento.

Deixo pra lá minha crueldade mental.
De que me valeria agora ter razão?
Meu amor é grande demais pro meu tamanho.

Pode ir, vou ficando por aqui! Que tal?
A vida continua e chego à conclusão:
Hoje que me conheço bem me sinto estranho!

Antonio Thadeu Wojciechowski

.

6 Comentários:

Às 08 abril, 2009 , Blogger Judô e Poesia disse...

Gostei muito do poema que rompe com o moralismo tão banal, e apresenta, de forma técnica e sensível, indagações sobre nossas todas almas. Quanto ao outro comentário, porque você não o apaga e aciona a mediação do blog. Você vai se sentir melhor entre poetas.

 
Às 09 abril, 2009 , Blogger tecatatau disse...

seu tadheu, preciso como sempre.

 
Às 09 abril, 2009 , Blogger Paulo Ugolini disse...

gênio, Thadeu.

 
Às 09 abril, 2009 , Blogger NORTON LIMA JR disse...

Ontem, hoje e sempre, estranho, estranho, estanho...

 
Às 10 abril, 2009 , Blogger Jarosinski Brasil disse...

Tadeu
copiei la do blog do Solda teu poema de Curitiba...e os polacos tão comentando no meu blog e enviando emails cumprimentando a Barreirinha por ter um filho polaco tão dileto... Lembro de ti la do CEFET.. abraços e confira no JAROSINSKI do Brasil. Ulisses

 
Às 10 abril, 2009 , Anonymous Anônimo disse...

onde anda o Dalton
com suas sensacionais
colunas bola cheia?

Ney - Império

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial