polacodabarreirinha

Poesia, música, gracinhas e traquinagens

terça-feira, julho 15, 2008




Súplica de uma página em branco


Me ame como se eu fosse um linho de anágua,
Branco mais branco do que toda palidez,
Amor isento de intriga, posse e mácula.
Na carne o final feliz do era uma vez...

Me ame assim assado pelos pêlos em brasa,
Envolto em colcha de retalhos e embriaguez,
Sonho de quimeras mil nas telhas da casa,
Línguas de fogo encapsulando-nos talvez...

Me ame em cada palavra consagrada ao homem
Que emerge de tuas profundezas abissais,
Babujando lírios na captura de teu pólen.

Me ame tanto quanto possas melhor e mais,
Para que teu coração desabe incólume
Em mim e diga a que veio por amar demais!



Antonio Thadeu Wojciechowski

3 Comentários:

Às 17 julho, 2008 , Blogger Voz de Eco disse...

Puxa...de repente fiquei sem palavras...

Iriene Borges

 
Às 17 julho, 2008 , Anonymous leila amaral disse...

Vc é maravilhoso demais para ser real.

Bj

Leila

 
Às 17 julho, 2008 , Blogger Voz de Eco disse...

Obrigado
Gostei de plenilúnio também.

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial