polacodabarreirinha

Poesia, música, gracinhas e traquinagens

sexta-feira, setembro 05, 2008


doa, dor!

essa dor que me dói
e dói tanto que deus me perdoe
já passou desta pra melhor
sabe–se lá quantas vezes
milênios séculos anos meses
de um dia para outro bem pior
essa dor não quer que eu me doe
até que eu sinta o quanto dói a bondade
de escrever sem dó nem piedade

Antonio Thadeu Wojciechowski



minha dor

Minha dor não é de quebrar pratos e bater portas,
Nem nunca foi abduzida por inomináveis ETs,
Minha dor escreve certo por linhas tortas,
Não tem guizos, fanfarras e a inutilidade das TVs.

Os povos estão contentes por não serem nada,
Por terem trocado a alma por um prato de macarronada.
Todos estão pensando o que vestir no próprio funeral,
Só, minha alma se fantasia para o grito de carnaval.

A minha dor é um desaforo que eu levo pra casa,
tom velado de guardamento, choro e ranger de dente,
Onde o morto sou eu, mandando uma brasa
Ao fogo do inferno criado por toda essa gente.

Comedor de Ranho


2 Comentários:

Às 05 setembro, 2008 , Anonymous Sandro Ostroski disse...

Faz tempo que acompanho este blog em silêncio. Hoje resolvi dar um pequeno pitaco, porque também sou polaco. Não da Barreirinha, mas do Boa Vista. Valeu Tadeu, velho mestre. Altíssima é a qualidade de seu texto.

 
Às 08 setembro, 2008 , Anonymous Anônimo disse...

thadeu..quando tiver um tempo de bobs na frente do computa... va ao you tube e digite o radicaos channel...muitos amigos por lá!!!

http://www.youtube.com/user/BigRadiocaos

abs

rodrigo

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial