polacodabarreirinha

Poesia, música, gracinhas e traquinagens

segunda-feira, novembro 24, 2008



Ai que meda!

Medo é a única virtude que não tenho:
Cago na cabeça da torcida do Flamengo,
Enfrento de peito aberto escorpião-fêmea,
Minha própria sombra foge de mim em câmera-lenta.

Saio de casa no tranco pra ver se encrenco,
Ai daquele ou dela que me partir pra violência.
Sou um tipo comum de durão desalmado que não presta,
Um desses tantos movidos a baque de adrenalina.

Já matei morcego com vassourada na testa,
Meu antepasto é sambiquira cru de galinha,
Sempre saio antes do melhor da festa,
O frio na barriga me congela o frio na espinha.

Antonio Thadeu Wojciechowski e Sérgio Viralobos



0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial