polacodabarreirinha

Poesia, música, gracinhas e traquinagens

quinta-feira, março 26, 2009



meu primeiro amor


no tempo amargo, casa alguma me vestia
até a calçada recusava-me janelas
entupido de dores, me espelhava nelas
e assim um ano se ia em um único dia

triste melancolia que de sal me nutria
me lembro muito bem das vozes paralelas
e do contorcionismo nu à luz de velas
dos meus fantasmas de autoantropofagia

flores levei solenemente ao cadafalso
morto, morri mais sete vezes, tudo em vão
o meu primeiro amor foi jogado para o alto

ela me disse mil em um único não
e eu saí raspando a cara no chão de asfalto
tentando achar pedaços do meu coração



guardador de vaca

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial