polacodabarreirinha

Poesia, música, gracinhas e traquinagens

segunda-feira, novembro 03, 2008






ao meu grande, único e verdadeiro amor

''Para tão longo amor tão curta a vida"

Luiz de Camões

"a rosa é formosa/ bem sei/ porque a chamam/ flor/ d`amor/ não sei”

Almeida Garret

que meu amor não seja pra ti pesado fardo
antes borboleta em seu ombro delicado
triste um dia parti e eis-me agora intacto
ficam espinhos enquanto caem flores do cacto

venha entregue a mim, meu jugo é suave
você lembra tudo que me fez sentir saudade
meu coração viu estrelas no céu da sua cidade
olhe-as na minha para ver como sou de verdade

pena que pra tanto amor tão pouca vida
é menos que o meu sentir tudo que eu diga
pudera foras como eras outrora, querida
pluma leve que o tempo leva sem ser ferida

thadeu wojciechowski, marcos prado e roberto prado

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial