polacodabarreirinha

Poesia, música, gracinhas e traquinagens

segunda-feira, novembro 17, 2008




eu devia saber

eu devia saber
o sol ia estar por cima da carne seca
e nada seria diferente
do que teria que ser

a minha alma vesga
indecente
não se contentaria com menos
eu devia saber

não foi a primeira vez
os detalhes, sim, os pequenos
subestimei-os talvez
pode ser, quem sabe?

eu devia saber
ela chegou falando a verdade
o importante é ser; não, ter
mas eu andava meio surdo

dela - aquilo era tudo pra mim
dela - a causa do meu surto
dela - a raiz ruim do jasmim
dela – esse ela e eu

carne, nervo, músculo, esperma
e o silêncio que veio viu e venceu
ficamos assim à espera
deitados, que em pé cansa

muitas luas depois
ainda havia dança
eu e ela, não os dois
eu devia saber

tentou me fazer compreender
que desse jeito não podia ser
mas era tarde demais para ver
o melhor de mim ainda está pra nascer

Thadeu W



0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial