polacodabarreirinha

Poesia, música, gracinhas e traquinagens

quinta-feira, março 26, 2009



reflexões à beira do abismo


o mundo sempre foi pequeno para as minhas voltas
um sistema solar qualquer eu tirava de letra
toda uma filosofia ruía com apenas uma gargalhada
mas depois que envelheci, me nasceram âncoras nas pernas
agora nem sei mais de onde me sai esse cheiro de naftalina
só meus olhos continuam desenvolvendo músculos
enquanto meu cérebro engorda pelo excesso de sonhos
e o espelho me mostra a cara de pau cheia de cupins



thadeu w

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial