polacodabarreirinha

Poesia, música, gracinhas e traquinagens

segunda-feira, setembro 29, 2008


Fiz esse poema do Guardador de Vaca
e as duas livre-adaptações do Rimbaud e do Baudelaire,
hoje de manhã, no meu primeiro dia de folga em Nova Mutum.
Espero que se deliciem tanto quanto eu.


Saudades de todos.


Thadeu

4 Comentários:

Às 29 setembro, 2008 , Anonymous leila amaral disse...

Querido, não sei quem você é pois só conheço o que escreve, mas amo você e cada palavra que sai de suas mãos. Bj.

 
Às 29 setembro, 2008 , Blogger Ivan disse...

Já a tradução do Rimbaud está bem a meu gosto: aí não tenho críticas -
e o soneto do comedor de ranho, então, está tão belo que nem parece que ele come ranho...
Não ligue, estou meio possesso, meio estranho -
a poesia nos conduz a um êxtase sublime,
e hoje eu perpetrei versinhos que talvez montem um time...

*Ivan sofrendo espasmos imortais de louco...*

 
Às 29 setembro, 2008 , Blogger Ivan disse...

Ah, sim: é do Guardador de Vaca...
Mais um ataque de espasmos que me ataca...

 
Às 29 setembro, 2008 , Anonymous Anônimo disse...

Quanto mais vejo a sua loucura mais eu sinto que a cura desse mundo cão é a poesia e a certeza de estar só na solidão. Você escreve coisas que eu penso e sinto. Gosto muito de tudo que leio por aqui.

Abração

Neto, da guitarra

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial