polacodabarreirinha

Poesia, música, gracinhas e traquinagens

quinta-feira, fevereiro 16, 2006

Mais uma do Jorge Ferreira


Às vezes saio à cata de coisas diferentes. Quase sempre levo sustos no blog do Jorge Ferreira. Vejam este poema.


A ternura da noite é líquida
e derrama em minha boca,
entre seco e doce, a lua viva.
Já sem medos, a voz rouca.

A ternura dessa noite física,
toca-me o corpo sob a roupa.
Rasgando a pele com carícias,
à luz suave, a dor tão pouca.

Sob cada beijo, líquido, terno,
esconde-se a fala, a súplica.
A vontade buscando a vida.

E eu, sem temor, me entrego.
Pois entendo, não há dúvida:
A ternura da noite é líquida.

1 Comentários:

Às 16 fevereiro, 2006 , Blogger roberto prado disse...

Thadeu, o garimpeiro. Grande achado, grande poema, grande Jorge Ferreira. Parabéns à dupla!
Abs
Beco

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial